P.D.E.

Guarda-chuvas são implicitamente reveladores. Você nunca acreditou, mas procure reparar melhor… 5 anos se passaram até que nossas vistas se encontrassem novamente, tempos no ônibus nunca foram tão demorados. Apesar de não existir nenhuma longa ponte entre nós, apenas nos vemos 3 vezes ou menos ao ano. Mas sempre mais animado do que com muitas pessoas diárias por aí. De qualquer forma, ainda temos telefone. Que sorte. Pelo menos é o que dizem por aí. Pois então que passem outros 5, 10, 15, e derivados. Eu os desafio. Existem nós que não podem ser desfeitos (nós de cabelo que o digam, odeio picotar meus cabelos por eles). P.D.E. pode significar muitas coisas, além da que você conhece. Como por exemplo: Pra Durar Eternamente. Que audácia a nossa ter esse tipo de pensamento. Mas amizades foram feitas pra isso, não? Tempos difíceis te fazem chorar agora, mas eu sempre estarei aqui para fazer você rir. 

Te amo. Para Priscila Daroz.

Carolina Alves.

Anúncios

Espuma quente

Qualquer coisa pode acontecer numa sexta-feira à noite. Talvez devesse ser cuidadoso? Pessoas despretensiosas esbarram seus olhares, enquanto estão sentadas, num bar qualquer de esquina. Ainda são os mesmos em qualquer época, os princípios básicos pelo menos. Perfeitamente calculado, um dos dois joga seus cabelos inocentemente para trás, deixando o colo a mostra, afinal com o calor que fazia parecia aceitável. O que sobrou, gargalha de um modo exibido, tentando chamar atenção para alguma coisa. Disfarçadamente os dois se olham, calculando perfeitamente o tempo para que seus olhares não os entreguem. Milagrosamente, um vento sopra, deixando os cabelos de um deles fora do lugar, com um falso constrangimento olha, para se certificar de que o outro notara.

Ele corresponde seu olhar, divertido e curioso, e com uma desculpa qualquer se levanta. O outro entende a deixa, afinal, já faz tempo que o mundo é mundo e a noite caminha assim. Todos querem uma bebida gelada numa sexta-feira a noite. Respirar da rotina, isso explicava o porque do lugar tão cheio. Tudo, entretanto, é um artifício se você souber aplicar. Falsos esbarrões convenientemente servem como desculpa para que haja contato. Falsamente irritado, alguém logo começa a se acalmar quando outro alguém se oferece para pagar algo gelado que prolongue o encontro. Começa então uma conversa de sexta-feira à noite, e os dois se mostram encantados.

Quando convém, um dos dois arruma pretensiosamente os cabelos, já que agora o outro está perto o suficiente para sentir o cheiro daquele xampu metido que alguém um dia trouxe de viagem, e sorri. As pessoas que antes dividiam a mesa com você, agora aproximam-se cautelosamente, sempre embaraçoso ser inundado de olhares curiosos e insinuantes, principalmente nada discretos de pessoas alheias, e perguntam se você vai ficar. Automaticamente você diz que sim. É interrompida por um riso presunçoso, e antes que seus acompanhantes virem as costas, você desce do banco onde estava e diz que sim, vai com eles. Olhares surpresos e incertos observam. O sorriso agora era debochado. O outro achava que você estava sendo difícil, mas a culpa era do mundo, não sua, era assim que funcionava. Conformado pede seu número. Disse que ligaria.

Verdade? Audaciosamente, olha e diz que prefere ficar com o dele. Surpreso e descrente, pergunta impulsivamente como poderia afirmar que faria contato. Não poderia. Talvez esperasse um dia inteiro, ansioso, como normalmente esse tipo de gente faria você ficar. Queria um sinal de que ligaria, mas agora restava apenas esperar. Deu-lhe o número, conformado. Então se despediram.

Alguém espetou seu braço com um garfo. Olhou irritadiça para o doido do garfo, e depois em volta. Intrigada, voltando a olhar para o outro, que a olhava de volta, percebeu que haviam se encarado por um bom tempo. Gargalhou involuntariamente. Era uma sexta-feira à noite. A espuma de sua bebida estava quente. Estava calor. Qualquer coisa podia acontecer.

Carolina Alves.

Coisas do YouTube…

Ei pessoas, que tempos preguiçosos… Sim, que horror, mas Isabella se recusa a aparecer sem que eu mostre sinal de vida antes, então ok. Tenho passado muito tempo no YouTube assistindo clipes de músicas e alguns vídeos aleatórios de canais que não me lembro como cheguei… E achei que alguns desses vídeos mereciam ser compartilhados por serem ótimos e engraçados, pelo menos eu achei. Enfim, se divirtam, ou não, mas na minha opinião vale assistir ;)

Tinham mais alguns, mas não me lembro onde procurar, então é isso, se gostarem procurem por outros vídeos nos canais, uns são bem engraçados, e se já conheciam deixem sugestões de outros que acham engraçados nos comentários. Tchauzinho ;)

Carol.